Política de Sucessão de Diretores

PLANO DE SUCESSÃO DE ADMINISTRADORES DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO – COOPERALESP

 

  1. CONSIDERAÇÕES GERAIS
    • O Plano de Sucessão segue as diretrizes da Política de Sucessão de Administradores do Sicoob e caracteriza-se pelo planejamento, estrategicamente alinhado às boas práticas de governança e tem como objetivo zelar pela transparência e sustentabilidade dos processos decisórios, prezando pelo desenvolvimento e a renovação qualificada da alta administração.
    • Este documento deve ser aprovado em Assembleia Geral, revisado a cada 5 anos ou quando julgado necessário e deverá complementar o estatuto social da entidade e o normativo que descreve sobre o processo eleitoral.
    • Este Plano de Sucessão considera o porte e complexidade das operações, sendo aplicável às Cooperativas de Capital e Empréstimos e Clássicas com ativos totais inferiores a R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões).
    • O Plano de Sucessão é direcionado a Diretoria e seus potenciais sucessores das entidades do Sicoob.
    • Este plano foi estruturado em etapas sequenciais e inter-relacionadas da seguinte forma

                    a) I – Identificação;

                    b) C – Capacitação.

  • Estas ações estão descritas no fluxograma apresentado no Anexo e são aplicáveis aos membros da Diretoria da seguinte forma:

Quadro 1 – Identificação das etapas conforme a condição estatutária:

Condição estatutária Conceito Etapas aplicáveis
Membro da Diretoria em exercício de mandato. Membro estatutário em exercício de cargo na Diretoria da cooperativa. C – Capacitação
Futuro Diretor eleito em Assembleia. Associado pleiteante ao cargo de diretor, cuja eleição ocorrer em assembleia geral. I – Identificação

C – Capacitação

 

  1. SUCESSÃO DE MEMBROS DA DIRETORIA ELEITOS EM ASSEMBLEIA GERAL
    • Etapa 1 – Identificação

a) O procedimento de identificação é a verificação das pré-condições exigidas pela regulamentação em vigor para o futuro Diretor eleito em Assembleia Geral;

b) Esta etapa não cabe a Diretoria em exercício de mandato, uma vez que já foram identificados;

c) Para atendimento aos pré-requisitos do cargo as informações devem ser apresentadas e detalhadas no currículo e suficientemente evidenciadas por meio de documentos comprobatórios;

d) A identificação e checagem das informações apresentadas serão realizadas mediante consulta em sistema de banco de dados disponíveis: fonte pública e privada de dados cadastrais, documentos, certificados ou outras solicitações do Banco Central do Brasil;

e) Os potenciais ocupantes de cargos da diretoria devem atender as condições exigidas pelas regulamentações em vigor:

Quadro 2 – Condições exigidas:

Condições exigidas ao cargo Providências
Apresentar reputação ilibada: a)    Realizar pesquisa na internet com o nome do candidato e verificar a existência de informação que o desabone;

b)    Consultar empresas ou organizações que tenham vínculo com o candidato ou com algum parente de 1º grau;

c)     Caso seja identificado o vínculo, verificar a situação cadastral no sítio da receita federal (CNPJ empresa) a natureza, a integridade e a confiabilidade da organização administrada pelo candidato.

Ser residente no país: a)     Solicitar comprovante de residência em do nome do candidato. Exemplo: notificação do Imposto de Renda do último exercício; recibo da declaração referente ao exercício em curso; contrato de locação em que figure como locatário.
Não estar impedido por lei especial, nem condenado por crime falimentar, de sonegação fiscal, de prevaricação, de corrupção ativa ou passiva, de concussão, de peculato, contra a economia popular, a fé pública, a propriedade ou o Sistema Financeiro Nacional, ou condenado a pena criminal que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos: Emitir os seguintes documentos:

 

a)     Certidão de antecedentes criminais (sítio da Polícia Federal);

b)    Certidões negativas;

c)     Nada consta cível;

d)    Criminal, dentre outras disponíveis nos sítios dos tribunais de cada região e comprovante de regularidade no Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos do Banco Central (CCF).

Não estar declarado inabilitado ou suspenso para o exercício de cargos de conselheiro fiscal, de conselheiro de administração ou de diretor: a)     Verificar situação jurídica no sítio do Banco Central do Brasil
Não responder, nem qualquer empresa da qual seja controlador ou administrador, por protesto de títulos, cobranças judiciais, emissão de cheques sem fundos, inadimplemento de obrigações e outras ocorrências ou circunstâncias análogas: a)  A identificação e checagem das informações apresentadas serão feitas mediante consulta em sistema de banco de dados disponíveis e demais órgãos reguladores.
Não estar declarado falido ou insolvente:
Não ter controlado ou administrado, nos 2 anos que antecedem a eleição ou nomeação, firma ou sociedade objeto de declaração de insolvência, liquidação, intervenção, falência ou recuperação judicial:

 

Quadro 3: Complemento de pré-requisitos de acesso ao cargo:

 

Pré – requisitos

Exigência Instrumentos de Aferição % – Peso  

Status(1)

Atender no mínimo 60% dos requisitos de acesso ao cargo
Escolaridade  

Graduado em nível Superior

 

 

Certificado Acadêmico

 

20%  
Formação acadêmica  

Administração, Economia, Contabilidade ou formação de contribuição para atividade empresarial e para a sociedade.

 

Certificado Acadêmico 10%  
Experiência profissional  

Experiência comprovada em cargos de gestão ou experiência e vivência em governança corporativa.

 

Análise curricular 40%  
Capacidade técnica e gerencial  

Visão estratégica, sistêmica e de longo prazo, melhores práticas de governança, noções de legislação aplicável às funções do cargo, capacidade de ler e entender relatórios gerenciais, contábeis e financeiros, planejamento estratégico, conceitos de finanças e economia, planejamento orçamentário e conhecimentos sobre o perfil de risco da cooperativa (gestão de riscos).

Análise curricular  

15%

 
Conhecimentos e Certificações  

Certificação de dirigente, governança corporativa, documentos societários, planejamento estratégico. Participação em cursos e eventos na área do cooperativismo.

 

Certificação de Participação 15%  
Total: 100%  

 

Resultado Alcançado:  
(1)       Status: Atende (A) / Atende Parcialmente (AP) / Não Atende (N).

 

Obs.: Este documento não sobrepõe às exigências contidas no normativo sobre eleição da cooperativa.

  • Etapa II – Capacitação

a) São ações de desenvolvimento com o objetivo de aperfeiçoar ou adquirir conhecimentos necessários e alinhá-los aos valores e propósito do Sicoob;

b) A educação continuada é pré-requisito para uma governança apoiada nas boas práticas de gestão;

c) O Sicoob Central Cecresp tem o papel de oferecer ações educacionais sobre os temas relevantes para formação da Diretoria das cooperativas associadas que sejam inerentes ao modelo de negócio da cooperativa;

d) As ações educacionais poderão ser realizadas mediante proveniência do Sicoob Central Cecresp, seja por ações à distância (Sicoob Universidade) ou presencias, e ainda a critério da contratação da cooperativa;

e) A capacitação para futuros membros da Diretoria ou em exercício de mandato deverá atender as orientações do quadro abaixo:

Quadro 4: Do processo de capacitação:

Situação Realizar Condições
Futuro Diretor a)   DNA SICOOB: Integração Institucional e Identidade Institucional.  

Obrigatória

Diretor em exercício de mandato*

 

a)   DNA SICOOB: Integração Institucional e Identidade Institucional. Obrigatória
a)     Preparatório de Certificação de Conselheiros de Administração;

b)   Certificação de Dirigentes do Sicoob;

c)   Participação em fórum e eventos estratégicos;

d)   Participação efetiva nos programa de excelência em educação corporativa oferecido pelo Sicoob Central Cecresp e Sicoob Universidade

Obrigatória

 

(*) Nota: As ações devem ser realizadas no primeiro ano de mandato de diretor.

Anexo – Fluxograma

 

 

 

 

2016 Powered By Cizuz Tecnologia